domingo, 21 de abril de 2019

Perguntas e Respostas I

Na sequência da publicação anterior surgiram três perguntas interessantes, sobre os trabalhos que tenho efetuado, às quais tenho o gosto de responder nesta publicação.

A pintura a óleo, com a papoila e as margaridas, foi efetuada numa tela reutilizada. A pintura foi feita com uma espátula e camadas de tinta espessas. Veem-se um laço para o cabelo e algumas peças de bijuteria, os dois colares que estão sobre a mesa integram peças de bijuteria que já tinha elaborado em 2011.
Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

1. O que te inspira para a criação das peças?

R.: Esta é uma pergunta inspiradora. Para responder, é necessário relembrar todo o processo criativo das peças. É, também, uma oportunidade para dar a conhecer um pouco a história dos trabalhos. A fonte de criatividade varia consoante os trabalhos. Para as pinturas, tenho três formas de inspiração. A primeira, mais simples, baseia-se na observação de outros trabalhos, normalmente tem uma finalidade de melhorar a técnica ou de aprender a efetuar trabalhos que considero bonitos (é o caso da pintura da foto). A segunda forma de me inspirar para as pinturas relaciona-se com os sonhos, durante a noite. Posso reproduzir uma imagem ou uma ideia proveniente dos sonhos ou de uma reflexão (tenho alguns trabalhos assim, alguns já no Etsy). Normalmente, todos estes trabalhos simbolizam, de forma geral, a mente, o pensamento, o sentimento, mas cada um tem as suas especificidades (pode ser sobre a memória, o ego, a liberdade, os sonhos, um sonho específico). A terceira fonte de inspiração é mais difícil de especificar, tem a ver com o momento, isto acontece nas pinturas espontâneas, em que cada traço e cor são escolhidos consoante a ideia que chega à mente naquele instante ou, simplesmente, só porque sim (a ideia é que o consciente e o subconsciente, dividindo desta forma, estejam a funcionar e se manifestem naquele trabalho). O resultado das pinturas espontâneas pode surpreender, tanto pela positiva como pela negativa, mas talvez mostre mais do estado de espírito da pessoa e talvez revele fontes de inspiração ocultas (um sentimento difícil de nomear, uma memória que surge subitamente). Relativamente à bijuteria, não costumo divagar tanto. Posso dividir também a elaboração de bijuterias em três fontes de inspiração: ideias de peças que penso que conseguiria reproduzir (mais técnico), ideias de peças que vejo e gosto (usaria), experimentar composições com materiais que tenho para elaborar peças únicas.

As bijuterias da imagem, o anel e os colares, foram elaboradas através da experimentação de várias composições de alguns materiais e peças antigas, de forma a originar peças exclusivas.
Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

2. Não te custa vender as peças que crias?

R.: Esta pergunta é muito interessante. Penso que qualquer pessoa que cria trabalhos de arte ou de artesanato se depara com este dilema. Tenho gosto em vender algumas peças que gosto especialmente, são peças especiais para alguém especial. Saber que elas vão ter a outra pessoa, que terá o seu cuidado com elas, valoriza o trabalho, é gratificante. Depois, há o caso daqueles trabalhos em que há um maior apego e penso mais um pouco antes de os vender. São os trabalhos (mais as pinturas) aos quais foram dedicadas muitas horas ou aqueles que gosto para ter expostos em casa, para olhar para eles. No entanto, tenho apresentado estes trabalhos também para venda, ainda não fiquei com um para mim. Na verdade, enquanto não são vendidos, tenho-os todos. Se forem, certamente que irão para alguém especial e é sempre bom vender os trabalhos mais especiais, mais bonitos, mais significativos. Algumas bijuterias já ficaram para mim, claro. Neste momento, todas as que uso são artesanais, foram elaboradas por mim. As bijuterias que gosto mais são aquelas simples e facilmente reproduzíveis à exceção dos anéis, com arame e cheios de contas, que normalmente são exclusivos.

Detalhe da pintura a óleo.
Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

3. As peças são feitas com materiais antialérgicos?

Esta é uma pergunta pertinente, importante. Neste momento, não, as bijuterias são feitas com os materiais mais comuns, tipo latão. Há algumas em cobre e alumínio, que também podem ocasionar reações alégicas em pessoas mais sensíveis. Mas, chegará o momento de experimentar peças com materiais antialérgicos, talvez o aço inoxidável.

Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

Espero que as respostas às perguntas tenham sido esclarecedoras e obrigada pela participação nesta publicação!

22 comentários:

  1. Querida amiga
    Que Deus lhe abençoe nesta páscoa
    e que a luz de Cristo brilhe todos os dias
    para inspirar sua vida. Que a fé e a esperança
    sejam suas parceiras na conquista dos seus sonhos
    Uma feliz e abençoada páscoa para você e os teus
    Beijos da amiga que lhe tem grande estima e admiração
    Gracita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Gracita pelas palavras. Beijos e uma excelente semana!

      Eliminar
  2. Ana... gostei de conhecer um pouco mais sua alma artística! Bj

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pelas respostas.
    Foste muito esclarecedora.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Espero que tenha tido uma feliz Páscoa. Respostas interessantes e esclarecedoras. Beijinho e boa semana Ana.

    ResponderEliminar
  5. "A arte existe pq a vida não basta..."

    juliamodelodemodelo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Lindo poster. Boas as respostas. Linda inspiração. Belo trabalho. Parabéns. Sucesso nas vendas. Bjs querida

    ResponderEliminar
  7. Gostei das respostas, mas principalmente das imagens! Tens muito jeito :)

    ResponderEliminar
  8. Querida Ana
    Obrigada pela gentil visita ao meu blog.
    Parabéns pelo seu lindo trabalho.
    Te desejo um feliz domingo das mães.
    Um carinhoso abraço de
    Verena.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...