segunda-feira, 18 de março de 2019

A criatividade I

A criatividade é uma qualidade que desejamos na nossa vida, nas mais diversas situações. Contudo, escrevo, agora, sobre a criatividade na pintura. Existem vários métodos para desenvolver a criatividade, várias ideias sobre como ter ideias novas. E, existe uma infinidade de ideias na Internet, com as quais podemos trabalhar para criar algo novo. Pode resultar. Mas, na publicação de hoje, estou a considerar a criatividade que não segue um trabalho prévio de pesquisa, de associação de ideias, de comparação entre várias ideias. 

Pinturas efetuadas de forma espontânea. Têm um caráter vivo e dinâmico.
Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

Tenho efetuado trabalhos de pintura através de vários métodos: pintura por camadas, com um esboço prévio, de acordo com uma ideia; pintura de uma só camada, utilizando pincel ou espátula, com um modelo ou imagem; pintura espontânea. Na pintura espontânea, apesar de poder existir uma ideia prévia, essa ideia não é seguida rigidamente, pois a pintura vai fluindo de acordo com os vários pensamentos e sentimentos que vão surgindo e de acordo com os traços e cores, que, sem necessidade de pensar muito, se acrescentam. O resultado da pintura espontânea, na minha opinião, torna-se muito mais vivo, dinâmico. Talvez seja assim, porque o processo é, ele próprio, vivo e dinâmico, imprevisível. A pintura elaborada desta forma pode, ainda, ser uma surpresa agradável para o próprio pintor. 

A primeira pintura seguiu um esboço prévio, foi elaborada por camadas. A segunda pintura foi efetuada num único momento. A segunda pintura adquiriu, também, uma maior vivacidade e movimento. Pode influenciar, um pouco, o facto de ter sido elaborada alguns anos depois, mas não muito, porque, além destas, tenho apenas cerca de meia dúzia de telas que incluem água.
Imagem de justfantasybijuteria.blogspot.pt

A pintura de observação efetuada num único momento, numa só camada, sem um esboço prévio, pode resultar mais viva do que uma pintura com esboço prévio e por camadas, que vem acompanhada da preocupação de colocar a tinta, as cores, no respetivo lugar, obtendo uma certa rigidez. Não é que não goste do resultado final da pintura por camadas, também gosto, mas perde-se algo da vivacidade, incluindo na cor. A questão é que os trabalhos efetuados dessa forma exigem realmente muita técnica, muitas horas de prática. Exigem um esforço, que tem o seu valor, embora pareça mais fácil o desapontamento do pintor com o resultado final.

Pode ser que o trabalho espontâneo seja um verdadeiro exercício de liberdade, com um resultado bastante criativo. Neste caso, não se tenta ser criativo, está-se a ser criativo em cada linha, forma, traço, cor, textura. Há, simplesmente, uma expressão livre da própria subjetividade. A ideia é esta, até que ponto a criatividade e a espontaneidade estarão relacionadas?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...